Erros na Cozinha

 

Erros na Cozinha
 

 

 
Segundo: Roberto Figueiredo
 Biomédico
(Personifica o Dr. Bactéria)
 
    
 1° erro:
 

Lavar as carnes debaixo da torneira.

Primeiro: perdem-se nutrientes.
A carne fica esbranquiçada.
Segundo: a contaminação que existe vai aumentar, porque aumenta a quantidade de água e as bactérias vão penetrar mais ainda.
A única carne que se lava é o peixe e só para tirar escamas e a “barrigada”.

 

2° erro:

Colocar detergente direto na esponja, o que leva ao exagero

O detergente nunca deve ser colocado direto na esponja.
Vai ser muito difícil enxaguar todo esse detergente.
O resto de detergente que fica junto com os alimentos pode no futuro dar um problema para a tua saúde.
Para limpar sem exagero, precisas apenas de oito (8) gotas de detergente em um litro de água.

 

3° erro:

Usar tábua de carne de madeira.

Na tábua de madeira as bactérias ficam-te aplaudindo!
A tábua tem que ser de plástico ou vidro.

 

4° erro:

Sobre se guardar comida quente no frigorífico.

Este é um dos mitos mais difundidos entre as donas de casa!
Não há erro em guardar comida quente no frigorífico.
O único problema é que vai aumentar um pouquinho o consumo de energia, mas não vai estragar o frigorífico, de modo algum.

Porém…

 

5° erro:

Guardar comida quente no frigorífico com o recipiente tapado.

O ar frio vai bater na tampa.
Vai demorar muito para resfriar e as bactérias vão adorar!
Então, coloca tudo destapado.
Duas horas depois… podes fechar.

 

6° erro:

 

Furar a lata de leite condensado e utilizá-la várias vezes.

As pessoas pegam a lata de leite condensado e fazem dois buraquinhos, um de cada lado.

Sai leite condensado por um lado, mas pelo outro entra uma porção de bactérias.
Abre a lata inteira e passa o leite condensado para um recipiente que pode ser de plástico ou de vidro.
Serve sempre com uma colher; depois tampa e guarde no frigorífico.

 

7° erro:

Ignorar as formigas.
Quando se fala em doce, a gente não pode esquecer as formigas.
Provavelmente, tu não te importarias se encontrasses uma formiguinha em cima do teu bolo, não é?

Doutor Bactéria: – E se fosse uma barata?
Marina Scherb, de 12 anos: – Aí, eu não como.
Dr. Bactéria: – Se a gente pegar uma barata, matar essa barata, deixar no meio da cozinha, no dia seguinte… cadê a barata?
Marina: – Sumiu.
Dr. Bactéria: – Quem levou?
Marina: – As formigas…
Dr. Bactéria: – A mesma que estava em cima do bolo?
Marina: – É, né?…
Doutor Bactéria: As formigas são consideradas até maiores agentes transmissores de bactérias do que a própria barata.
Doce com formiga só pode ter um destino: a lata de lixo.

 

8° erro:

 

Soprar velinhas do bolo de aniversário.

Este é um péssimo mau hábito.
Testes comprovam que o bolo fica contaminado por bactérias da saliva.
Estas bactérias produzem uma toxina que podem ocasionar aquelas intoxicações com 24 horas de vômitos e mal-estar.
Evita, também, deixar o bolo fora do frigorífico.

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

Desde criança, aprendemos a colocar ovos na porta do frigorífico, até porque os ele trodomésticos vêm de fábrica preparados para esta função.
No entanto, é um erro dos mais graves, porque o balanço da porta e a pouca refrigeração favorecem a deterioração do produto e o ovo vira uma estufa para a criação das terríveis salmonelas, bactérias responsáveis por boa parte das intoxicações alimentares.

 

Para ilustrar as verdades que ele estava transmitindo para o público, o Dr. Bactéria mostrou dados preocupantes.
Em todo o mundo, 1,5 milhão de crianças menores de cinco anos adoecem de diarréia por ano,o que gera três milhões de mortes,

das quais 70% são causadas por manipulação errada de alimentos.
"Isto demonstra total ignorância frente às bactérias novas". 

 

O bioquímico condena hábitos diários das donas-de-casa, como: arear panelas (não se deve lustrá-la por dentro,  para não soltar a substância química);

armazenar o frasco de vinagre fora da geladeira; usar a pia como lixeirinha; usar molas da roupa para fechar saquinhos de alimentos; guardar pedaços de legumes ou de frutas na porta do frigorífico e guardar cola no frigorífico.

"Não se pode armazenar alimentos com produtos químicos".

 

A esponja de lavar louças deve ser lavada e desinfetada diariamente e trocada semanalmente.

 
O Dr. Bactéria não falou sobre os possíveis riscos de contaminação do tradicional pano de coar café.

Mas… levando em consideração tudo o que ele disse, mantê-los limpos é a melhor saída.

 

O Professor Roberto apresenta verdadeiros desafios para o senso comum.
Segundo ele, deve-se consumir leite pasteurizado, sempre, mas o líquido jamais deve ser fervido em casa.
O produto deve ser aquecido a 80 graus C, no máximo, (cerca de quatro minutos), para que as propriedades nutricionais sejam mantidas.

Outra "esquisitice" apresentada é com relação à forma de armazenar os alimentos recém preparados.

 

Sabes aquele gesto gentil da mamã em guardar o      pratinho do filho no forno?
O Dr. Bactéria diz que isso é oferecer um prato de veneno.
"As pessoas passam mal porque comem comida contaminada, não estragada.
O risco é ainda maior porque o alimento não apresenta sinais de contaminação e as pessoas comem mesmo".
Ele explicou que os alimentos perecíveis devem ser mantidos fora do frigorífico por, no máximo, duas horas.
Se ainda estiverem quentes, devem ser levados, destapados, para refrigeração para que o ar frio circule.
"Depois, podem ser ‘tampados’ normalmente".

 

O produto quente não compromete o funcionamento do eletrodoméstico,      só faz aumentar o consumo de energia.

 

"Mas eu prefiro pagar mais caro a conta, do que pagar com a minha saúde".   Enfim, são muitos cuidados que devemos tomar. Alguns são quase impraticáveis, outro são mais fáceis. 

 

Mel não pode ser oferecido a crianças!

Um ponto para:

– quem conseguir não colocar meio tomate ou meia cebola,  na porta da geladeira.
–  quem não lava frutas e verduras quando chega da feira e sim duas horas depois de refrigeradas.

E mil pontos para quem não oferece mel para crianças com menos de um ano.

Mel? O Dr. Bactéria avisou as mães que todo o cuidado é pouco com esse rico alimento. Segundo ele, 8% da produção de mel é contaminada por uma bactéria chamada clostridium botulino.   Os seres humanos desenvolvem anticorpos de defesa contra os micro-organismos, mas somente após um ano de idade.
"Muitas crianças morrem de causas não explicadas e alguns desses óbitos podem ser atribuídos ao mel". 

 

Uma das críticas mais severas feitas pelo prof. Roberto foi em relação a experimentar e soprar a comida dos bebes  – que muita gente desavisada faz – e soprar velinhas de bolo de aniversário.   "O aniversariante sopra e depois a mamãe oferece um pratinho de bactérias para os convidados.

Aconselho a adoção daqueles bolos gelados, embrulhados em papel alumínio".

As festas são ocasiões ideais para a proliferação de bactérias, porque os alimentos ficam expostos, por tempo acima do considerado ideal. O bioquímico cita a maionese como uma das vilãs das intoxicações alimentares, principalmente as (maioneses) caseiras. "O perigo é maior para os donos das festas, que só têm tempo de comer as sobras no dia seguinte. E ainda acham que é gostoso".